UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

A criança em foco: conversando sobre práticas parentais e estratégias de negociação

Emily Ribeiro da Silva, Melina Carvalho Pereira

Resumo


Este estudo considera a criança como ser social e produtor de cultura. Apesar do adultocentrismo ainda existente, mudanças recentes nas relações intrafamiliares contribuíram para a crescente participação da criança nos processos decisórios da família. Assim, investigou-se como as crianças entendiam, avaliavam e lidavam com as práticas educativas, e suas estratégias de negociação. Dezesseis crianças, de 7 a 10 anos, participaram desta pesquisa qualitativa, que contou com entrevistas individuais semiestruturadas, grupos focais e posterior análise de conteúdo. A maioria afirmou já ter feito escolhas no contexto familiar e se sentiram satisfeitos com isso. Picos de autoritarismo, permissividade e inconsistências entre as figuras parentais foram percebidos pelos infantes. Dessa forma, o estudo fornece subsídios para avançar na qualidade das relações parentais.


Palavras-chave


relações pais-criança; infância; negociação.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, Z. M. M. B., & Silva, M. H. G. (1992). Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paidéia (Ribeirão Preto), (2), 61-69. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X1992000200007

Bardin, L. (1977/2011). Análise de conteúdo. Lisboa: edições, 70, 225.

Botton, A., Cúnico, S. D., Barcinski, M., & Strey, M. N. (2015). Os papéis parentais nas famílias: analisando aspectos transgeracionais e de gênero. Pensando familias, 19(2), 43-56. Retirado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2015000200005

Buss-Simão, M. (2014). Pesquisa etnográfica com crianças pequenas: reflexões sobre o papel do pesquisador. Revista Diálogo Educacional, 14(41). doi: 10.7213/dialogo.educ.14.041.DS02

Corsaro, W. A. (2009). Reprodução interpretativa e cultura de pares. Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 31-50.

Corsaro, W. A. (2011). Sociologia da infância. 2.ed. Porto Alegre: Artmed.

Costa, F. B., & Roldão, F. D. (2018). Os desafios do divórcio para o sistema familiar. Anais do EVINCI-UniBrasil, 3(1), 295-295.

Costa, A. C. R. D., Cavalcante, L. I. C., & Pontes, F. A. R. (2015). Metas e estratégias de socialização de pais e avós de crianças em acolhimento institucional. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 8(1), 94-110.

de Moraes Bandeira, C., Natividade, J. C., & Giacomoni, C. H. (2015). As relações de otimismo e bem-estar subjetivo entre pais e filhos. Psico-USF, 20(2), 249-257. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-82712015200206

Felicio, E., & Roldão, F. D. (2018). Breves considerações sobre os impactos do divórcio nos diferentes estágios do ciclo de vida familiar. Anais do EVINCI-UniBrasil, 3(2), 987-1004.

Ferreira, C. I. M. (2016). Estilos parentais e qualidade de vida em crianças e jovens (Dissertação de mestrado). Retirado de http://repositorio.ipv.pt/handle/10400.19/4495

Jacquet, C., & da Costa Fialho, L. (2004). As práticas educativas nas famílias recompostas: notas preliminares. Sociedade e Cultura, 7(2).

Greenne. S. Anderson, E.R. Forgatch, M.S. Degarmo, D.S. Hetherington, E.M. (2016). Risco e resiliência após o divórcio. In Walsh, F. (4 Ed) Processos normativos da família: diversidade e complexidade. Artmed Editora.

Grzybowski, L. S., & Wagner, A. (2010). Casa do pai, casa da mãe: a coparentalidade após o divórcio. Psicologia: teoria e pesquisa, 26(1), 77.

Guerreiro, A. M. S. (2013) O papel das práticas parentais no desenvolvimento e no bem-estar subjetivo da criança. (Tese de doutorado). Retirado de http://hdl.handle.net/10400.1/3693

Leme, V. B., Del Prette, A., & Coimbra, S. (2013). Práticas educativas parentais e habilidades sociais de adolescentes de diferentes configurações familiares. Psico, 44(4), 560-570.

Mello, A. D. S., Zandomínegue, B. A. C., Vieira, A. D. O., Da Silva, A. C., De Assis, L. C., Barbosa, R. F. M., & Martins, R. L. D. R. (2015). Pesquisas com crianças na educação infantil: diálogos interdisciplinares para produção de conhecimentos. Motrivivência, 27(45), 28-43.

Minetto, M. D. F., Crepaldi, M. A., Bigras, M., & Ceretta Moreira, L. (2012). Práticas educativas e estresse parental de pais de crianças pequenas com desenvolvimento típico e atípico. Educar em revista, (43).

Nunes, K. R. (2012). Infâncias e Educação Infantil: redes de "sentidosproduções" compartilhadas no currículo e potencializadas na pesquisa com as crianças. (Tese de doutorado). Retirado de: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2151

Oliveira, M. R. (2016) Aproxima quem está longe e afasta quem está perto: Um estudo Fenomenológico sobre dependência mobile. Manuscrito não publicado

Patias, N. D., Siqueira, A. C., & Dias, A. C. G. (2013). Práticas educativas e intervenção com pais: a educação como proteção ao desenvolvimento dos filhos. Mudanças Psicol Saude, 21(1), 29-40.

Raposo, H. S., Figueiredo, B., Lamela, D., Costa, R. A. N., Castro, M., & Prego, J. (2011). Ajustamento da criança à separação ou divórcio dos pais. Revista de Psiquiatria Clínica, 38(1), 29-33.

Rodriguez, B. C., & Gomes, I. C. (2012). Novas formas de parentalidade: do modelo tradicional à homoparentalidade. Boletim de psicologia, 62(136), 29-36.

Sá, V. (2017). Estilos parentais e compreensão emocional de crianças em idade pré-escolar (Tese de doutorado). Retirado de: http://hdl.handle.net/10071/15436

Sakuramoto, S. M., Squassoni, C. E., & Matsukura, T. S. (2014). Apoio social, estilo parental e a saúde mental de crianças e adolescentes. Mundo Saúde (Impr.), 38(2), 169-78.

Santin, G., & Klafke, T. E. (2011). A família e o cuidado em saúde mental. Barbaroi, (34), 146.

Silva, S. C. D. S. D. (2009). Famílias de risco, crianças de risco?: representações das crianças acerca da família e do risco (Dissertação de doutorado). Retirado de http://hdl.handle.net/1822/10966

Weber, L. (2005). Eduque com carinho: para pais e filhos. Curitiba: Juruá.

Weber, L. N. D., Prado, P. M., Viezzer, A. P., & Brandenburg, O. J. (2004). Identificação de estilos parentais: o ponto de vista dos pais e dos filhos. Psicologia: reflexão e crítica, 17(3), 323-331.




DOI: https://doi.org/10.24879/2018001200300478

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

   Revista Psicologia em Pesquisa

   Vinculada ao Programa de Pós-graduação em Psicologia

   Universidade Federal de Juiz de Fora
   Departamento de Psicologia – ICH
   Campus Universitário – Bairro Martelos
   Juiz de Fora – MG - CEP: 36036-330

   E-mail: revista.psicologiaempesquisa@ufjf.edu.br

   e-ISSN 1982-1247

   DOI: 10.24879


   INDEXADORES



            

 

 

                       

Universidade Federal de Juiz de Fora