UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

A cocontrução do fluxo locomotor em processos interativos bebê-bebê

Natália Meireles Santos da Costa, Katia de Souza Amorim

Resumo


O desenvolvimento locomotor do bebê é modulado por processos perceptuais/sociais/interativos. Porém, articulação desses elementos e sua complexidade em ambientes naturalísticos de creche, onde pares de bebês são importantes parceiros, faz-se pouco claro. Assim, objetivou-se estudar entrelaçamento de processos locomotores relacionados a interações de bebês pares de idade. Conduziu-se estudos de caso múltiplos, baseados em pressupostos histórico-culturais, analisando-se videogravações de bebês em creche. Dois episódios são analisados: um em que três bebês engatinham/param em função do movimento de uma bola; outro em que o andar com apoio é dificultado/reconfigurado na presença do par. A triangulação atencional associado às (in)capacidades motoras conferem dinâmicas diferenciadas ao movimento, dando-se como fluxo relacional. Mediação do espaço físico e concepções educativas são discutidas.


Palavras-chave


desenvolvimento infantil; locomoção; interação; creches.

Texto completo:

PDF

Referências


Adolph, K. E., & Avolio, A. M. (2000). Walking infants adapt locomotion to changing body dimensions. Journal of Experimental Psychology: Human Perception and Performance, 26(3), 1148-1166.

Adolph, K. E., Karasik, L. B., & Tamis-LeMonda, C. S. (2010). Using social information to guide action: Infants’ locomotion over slippery slopes. Neural Networks, 23(8-9), 1033-1042.

Adolph, K. E., Berger, S. E., & Leo, A. J. (2011). Developmental continuity? Crawling, cruising, and walking. Developmental Science, 14(2), 306-318.

Adolph, K. E., Cole, W. G., Komati, M., Garciaguirre, J. S., Badaly, D., Lingeman, J. M., et al. (2012). How do you learn to walk? Thousands of steps and dozens of falls per day. Psychological Science, 23(11), 1387-1394.

Aguiar, M. C. A. D., & Pedrosa, M. I. P. D. C. (2009). Desenvolvimento do conceito de espaço em crianças e a educação infantil. Psicologia USP,20(3), 389-415.

Amorim, K. S., & Rossetti-Ferreira, M. C. (1999). Creches com qualidade para a educação e o desenvolvimento integral da criança pequena. Psicologia: ciência e profissão, 19(2), 64-69.

Amorim, K.S.; Rossetti-Ferreira, M. C. & Vitória, T. (2000) Rede de significações: perspectiva para análise da inserção de bebês na creche. Cader. Pesq. 109, 115-144.

Amorim, K.S., & Rossetti-Ferreira, M.C. (2008a). Corporeidade, significação e o primeiro ano de vida. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60, 67-81.

Amorim, K.S., & Rossetti-Ferreira, M. C. (2008b). Dialogismo e a investigação de processos desenvolvimentais humanos. Paidéia, 18(40), 235-250.

Amorim, K. D. S., Costa, C. A., Rodrigues, L. A., Moura, G. G., & Ferreira, L. D. I. P. D. (2012). O bebê e a construção de significações, em relações afetivas e contextos culturais diversos. Temas em Psicologia, 20(2), 309-326.

Anjos, A. M. D., Amorim de Souza, K., & Rossetti Ferreira, M. C. (2004). Interações de bebês em creche. Estudos de Psicologia, 9(3).

Aquino, F. D. S. B., & Salomão, N. M. R. (2011). Intencionalidade comunicativa e atenção conjunta: uma análise em contextos interativos mãe-bebê. Rev. Psicologia: reflexão e crítica, 107-115.

Berger, S. E., & Adolph, K. E. (2003). Infants use handrails as tools in a locomotor task. Developmental Psychology, 39(3), 594-605.

Berger, S. E., Chan, G. L. Y., & Adolph, K. E. (2014). What cruising infants understand about support for locomotion. Infancy, 19(2), 117-137.

Bussab, V. S. R.; Carvalho, A.M.A. & Pedrosa, M. I. (2007) Encontros com o outro. Empatia e intersubjetividade no primeiro ano de vida. Psicol. USP, 18 (2), 99-133.

Campos, J. J., Anderson, D. I., Barbu‐Roth, M. A., Hubbard, E. M., Hertenstein, M. J., & Witherington, D. (2000). Travel broadens the mind.Infancy, 1(2), 149-219.

Carvalho, A. M. A., & Beraldo, K. E. A. (2013). Interação criança-criança: ressurgimento de uma área de pesquisa e suas perspectivas. Cadernos de pesquisa, (71), 55-61.

Carvalho, A. M. A., Begamarco, N. H. P., Lyra, M. C. D. P., Pedrosa, M. I. P. C., Rubiano, M.R.B., Rossetti-Ferreira, M. C., Oliveira, Z. M. R.; Vasconcelos, V.M.R.(1996) Registro em vídeo na pesquisa em Psicologia: reflexões a partir de relatos de experiência. Psicol.Teor.e Pesq., 12 (3),p.261-267.

Carvalho, A. M. A., Império-Hamburger, A.; Pedrosa, M. I. (1996) Interação, regulação e correlação no contexto do desenvolvimento humano: discussão conceitual e exemplos empíricos. SP: Publicações, IFUSP/ P n.1196, p.1-34.

Carvalho, A. M. A., Branco, Â. U. A., Pedrosa, M. I., & Gil, M. S. C. A. (2002). Dinâmica interacional de crianças em grupo: um ensaio de categorização. Psicologia em Estudo, 7(2), 91-99.

Cicchino, J. B., & Rakison, D. H. (2008). Producing and processing self-propelled motion in infancy. Developmental Psychology, 44(5), 1232-1241.

Costa, C. A. (2012). Significações em relações de bebês com seus pares de idade. Dissertação de mestrado em Psicologia, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Clearfield, M. W. (2011). Learning to walk changes infants’ social interactions. Infant Behavior & Development, 34(1), 15-25.

Clearfield, M. W., Osborne, C. N., & Mullen, M. (2008). Learning by looking: Infants' social looking behavior across the transition from crawling to walking. Journal of Experimental Child Psychology, 100(4), 297-307.

Ferreira, J. M. (2017). Crianças com déficit intelectual e processos interacionais com pares na pré-escola: reflexões sobre desenvolvimento (Dissertação de doutorado, Universidade de São Paulo).

Fonseca, S. T., Faria, C. D., Ocarino, J. M., & Mancini, M. C. (2007). Abordagem ecológica à percepção e ação: Fundamentação para o comportamento motor. Brazilian Journal of Motor Behavior, 2(1).

Franchi e Vasconcelos, C. R., de Souza Amorim, V. K., dos Anjos, A. M., & Ferreira, M. C. R. (2003). A incompletude como virtude: interação de bebês na creche.. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), 293-301.

Gibson, J. J. (1966). The senses considered as perceptual system. Boston: Houghton-Mifflin Company.

Garcez A, Duarte R, Eisenberg Z. (2011) Produção e análise de vídeogravações em pesquisas qualitativas. Educ. Pesqui; 37(2), p. 249-261.

Gill, S. V., Adolph, K. E., & Vereijken, B. (2009). Change in action: How infants learn to walk down slopes. Developmental Science, 12(6), 888-902.

Gottlieb, A. (2009). Para onde foram os bebês?: Em busca de uma Antropologia de bebês (e de seus cuidadores). Psicologia USP, 20(3), 313-336.

Haehl, V., Vardaxis, V., & Ulrich, B. (2000). Learning to cruise: Bernstein's theory applied to skill acquisition during infancy. Human Movement Science,19(5), 685-715.

Karasik, L. B., Adolph, K. E., Tamis-LeMonda, C. S., & Bornstein, M. H. (2010). WEIRD walking: Cross-cultural research on motor development. Behavioral and brain sciences, 33(2-3), 95-96.

Karasik, L. B., Tamis‐LeMonda, C. S., & Adolph, K. E. (2011). Transition from crawling to walking and infants’ actions with objects and people. Child Development, 82(4), 1199-1209.

Karasik, L. B., Tamis‐LeMonda, C. S., & Adolph, K. E. (2014). Crawling and walking infants elicit different verbal responses from mothers. Developmental science, 17(3), 388-395.

Kopp, C. B. (2011). Development in the early years: Socialization, motor development, and consciousness. Annual review of psychology, 62, 165-187.

Kretch, K. S., Franchak, J. M., & Adolph, K. E. (2014). Crawling and walking infants see the world differently. Child development, 85(4), 1503-1518.

Meneghini, R., & Campos-de-Carvalho, M. (2003). Arranjo espacial na creche: espaços para interagir, brincar isoladamente, dirigir-se socialmente e observar o outro. Psicologia: Reflexão e crítica, 16(2), 367-378.

McGaha, C. G., Cummings, R., Lippard, B., & Dallas, K. (2011). Relationship Building: Infants, Toddlers, and 2-Year-Olds. Early Childhood Research & Practice, 13(1), n1.

Moura, G. G. (2012) “Quem não pega não se apega”: acolhimento institucional de bebês e as (im)possibilidades de construção de vínculos afetivos. Dissertação de mestrado. Programa de Pós Graduação em Psicologia – FFCLRP-USP. Ribeirão Preto.

Oliveira, Z. D. M. R. D., Guanaes, C. & Costa, N. R. D. A. (2004). Discutindo o conceito de “jogos de papel”: uma interface com a “teoria do posicionamento”. Rossetti-Ferreira, MC et al. Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 69-80.

Overton, W. (1997). Beyond dichotomy: an embodied active agent for cultural psychology. Culture and Psychology, 3 (3), 315-334.

Rocha, N. A. C. F., & Tudella, E. (2003) Teorias que embasam a aquisição das habilidades motoras do bebê. Temas desenvolv, 11(66), 5-11.

Rossetti-Ferreira, M. C., Amorim, K. S., & Silva, A. P. S. (2004). Rede de Significações: alguns conceitos básicos. In M. C. Rossetti-Ferreira, K. S. Amorim, A. P. S. Silva, & A. M. A. Carvalho (Orgs.), Rede de Significações e o estudo do desenvolvimento humano (p. 2334). Porto Alegre: Artmed.

Rossetti-Ferreira, M. C., Amorim, K. S., & Silva, A. P. S. (2007) Network of Meanings. In Valsiner, J., & Rosa, A. (Orgs.). The Cambridge handbook of sociocultural Psychology. (p.277-290). Cambridge University Press.

Rossetti-Ferreira, M. C., Amorim, K. S., Soares-Silva, A. P., & Oliveira, Z. M. R. (2008). Desafios metodológicos na perspectiva da rede de significações. Cadernos de Pesquisa, 38(133), 147-170.

Santos, D. C. C., Tolocka, R. E., Carvalho, J., Heringer, L. R. C., Almeida, C. M., & Miquelote, A. F. (2009). Desempenho motor grosso e sua associação com fatores neonatais, familiares e de exposição à creche em crianças até três anos de idade. Revista Brasileira de Fisioterapia, 13(2).

Santos, N. M. (2012). Transformações do olhar no bebê, em relação ao desenvolvimento postural. Monografia de Bacharelado em Psicologia, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Scorsolini-Comin, F., & Amorim, K. D. S. (2010). " Em meu gesto existe o teu gesto": corporeidade na inclusão de crianças deficientes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(2), 261-269.

Seidl de Moura, M. L. & Ribas, A. F. P. (2000). Desenvolvimento e contexto sociocultural: a gênese da atividade mediada nas interações iniciais mãe-bebê. Psicologia Reflexão e Crítica, 13(2).

Seidl de Moura, M. L. S., Ribas, A. F. P., da Costa Seabra, K., Pessôa, L. F., de Castro Ribas Jr, R., & Nogueira, S. E. (2004). Interações iniciais mãe-bebê.Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(3), 295-302.

Seidl-de-Moura, M. L., Ribas, A. F. P., Seabra, K. D. C., Pessôa, L. F., Nogueira, S. E., Mendes, D. M. L. F., & Vicente, C. C. (2008). Interações mãe-bebê de um e cinco meses: Aspectos afetivos, complexidade e sistemas parentais predominantes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 66-73.

Tomasello, M. (2003). Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. (C. Berliner, Trad.) São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1999).

Užgiris, I. Č. (1991). The social context of infant imitation. In Social influences and socialization in infancy (pp. 215-251). Springer US.

Vygotsky, L. S. (1984) A Formação Social da Mente São Paulo: Martins Fontes.

Von Simson, O. R. M. (2009). Memória, cultura e sociedade do esquecimento [Apresentação realizada na Semana da Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP)]. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Yin, R. K. (2005). Estudo de Caso – Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman




DOI: https://doi.org/10.24879/2018001200300489

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

   Revista Psicologia em Pesquisa

   Vinculada ao Programa de Pós-graduação em Psicologia

   Universidade Federal de Juiz de Fora
   Departamento de Psicologia – ICH
   Campus Universitário – Bairro Martelos
   Juiz de Fora – MG - CEP: 36036-330

   E-mail: revista.psicologiaempesquisa@ufjf.edu.br

   e-ISSN 1982-1247

   DOI: 10.24879


   INDEXADORES



            

 

 

                       

Universidade Federal de Juiz de Fora