UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Ideação suicida em assentamentos rurais no Piauí

João Paulo Macedo, Brisana Índio do Brasil de Macedo Silva, Laís Leal da Silva Bezerra

Resumo


Objetiva investigar casos de ideação suicida em áreas de assentamentos rurais no Piauí. Para isso, realizou-se estudo de corte transversal em dois assentamentos rurais. Por meio de questionário sócio demográfico e o instrumento Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20), identificou-se casos de transtorno mental comum na população investigada, com destaque para indivíduos que pontuaram o item do questionário que trata da presença de pensamentos suicidas. Para análise dos dados utilizou-se o pacote estatístico SPSS. Os resultados evidenciaram que o indicativo de pensamentos suicida esteve mais associado ao sexo feminino, número de filhos, ocupação dona de casa e presença de transtorno mental comum. Tais variáveis por si só não são preditoras ao suicídio, mas evidencia uma grande vulnerabilidade de mulheres ao comportamento suicida.


Palavras-chave


saúde mental, desejo de morte, ambiente rural, gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


Bertolote, J. M. (2012). O suicídio e sua prevenção (1ª ed.). São Paulo, SP: UNESP.

Bertolote, J. M., &Fleischmann, A. (2002). Suicide and psychiatric diagnosis: A world wide perspective. World Psychiatry, 1, 181-185.

Borges, V. R.,& Werlang, B. S. G. (2006). Estudo de ideação suicida em adolescentes de 15 a 19 anos. Estud. psicol. (Natal), 11 (3), 345-351. doi: 10.1590/S1413-294X2006000300012

Botega, N. J., Werlang, B. G., Cais, C. F. S., & Macedo, M. M. K. (2006). Prevenção do comportamento suicida. Psico, 37 (3), 213- 220. Retirado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/revistapsico/ojs/index.php/revistapsico/article/view/1442/1130

Braga, L. L. & Dell’aglio, D. D. (2013). Suicídio na adolescência: fatores de risco, depressão e gênero. Contextos Clínicos, 6(1), 2-14. doi: 10.4013/ctc.2013.61.01

Brasil. (2017). Ministério da Saúde (MS). Suicídio, saber, agir e prevenir. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: MS. Recuperado em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/21/2017-025-Perfil-epidemiologico-das-tentativas-e-obitos-por-suicidio-no-Brasil-e-a-rede-de-atencao-a-saude.pdf

Costa, A. G., &Ludermir, A. B. (2005). Transtornos mentais comuns e apoio social: estudo em comunidade rural da Zona da Mata de Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Pública, 21(1), 73-79. 2005. doi: 10.1590/S0102-311X2005000100009.

Costa, M. G. S. G., Dimenstein, M. D. B., & Leite, J. F. (2014). Condições de vida, gênero e saúde mental entre trabalhadoras rurais assentadas. Estudos de Psicologia (Natal), 19 (2), 145- 154. doi: 10.1590/S1413-294X2014000200007.

Dimenstein, M. D. B., Leite, J. F., Macedo, J. P. S., & Dantas, C. M. B. (Orgs.). (2016). Condições de vida e saúde mental em contextos rurais. São Paulo: Intermeios.

Engberg, M. (1994). Mortality and Suicide Rates of Involuntarily Comitted Patient. Acta Psychiatry Scand, 89, 35-40. doi: 10.1111/j.1600-0447.1994.tb01482.x

Faria, N. M. X., Facchini. A. A., Fassa, A. G. & Tomasi, E. (2000). Estudo Transversal Sobre Saúde Mental de Agricultores da Serra Gaúcha. Cadernos de Saúde Pública, 16 (1), 115-128. doi: 10.1590/S0102-311X2000000100012.

Faria, N. M. X., Victora, C. G., Meneghel, S. N., Carvalho, L. A., &Falk, J. W. (2006). Suicide rates in the State of Rio Grande do Sul, Brazil: Association with socioeconomic, cultural, and agricultural factors. Cadernos de Saúde Pública, 22(12), 2611–21. doi: 10.1590/S0102-311X2006001200011

Ficher A. M. F. T., &Vansan, G. A. (2008). Tentativas de suicídio em jovens: aspectos epidemiológicos dos casos atendidos no setor de urgências psiquiátricas de um hospital geral universitário entre 1988 e 2004. Estudos de Psicologia, 25 (3), 361-374. doi: 10.1590/S0103-166X2008000300005.

Gaspari, V. P. P. (2002). Rede de apoio social e tentativa de suicídio. Dissertação de Mestrado em Ciências Médicas. Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Loureiro, A., Costa, C., & Santana, P. (2016). Determinantes contextuais da saúde mental. In: Dimenstein, M. D. B., Leite, J. F., Macedo, J. P. S., & Dantas, C. M. B. (Orgs.). (2016).Condições de vida e saúde mental em contextos rurais. São Paulo: Intermeios.

Mari,J. J., & Williams, P. A. (1986). Validity study of a psychiatric screening questionnaire (SRQ-20) in primary care in the city of São Paulo. Br J Psychiatry,148, 23-26.

Martelli, C., Awad, H., & Hardy, P. (2010). In-patients suicide: Epidemiology and prevention. Encephale, 36 (2), pp. 83-91. doi: 10.1016/j.encep.2009.06.011

Nock, M. K., Borges, G., Bromet, E. J, Cha, C. B, Kessler, R. C.,& Lee, S. (2008). Suicide and suicide behavior. Epidemiol Rev.30 (1), 133-54. doi: 10.1093/epirev/mxn002

Organização Mundial de Saúde, [OMS], (2000) Prevenção do Suicídio: Um Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Primária. Genebra: Organização Mundial da Saúde. Retirado em http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/67603/WHO_MNH_MBD_00.4_por.pdf;jsessionid=213EE79E83927688E2F5A6E4BAC091C9?sequence=8.

Pinho, P. S., & Araújo, T. M. (2012). Associação entre sobrecarga doméstica e transtornos mentais comuns em mulheres. Revista Brasileira de Epidemiologia, 15(3), 560-572. doi:10.1590/S1415-790X2012000300010

Rabasquinho, C. & Pereira, H. (2007). Gênero e Saúde Mental: Uma abordagem epidemiológica. Análise Psicológica, 25(3), 439-454. Recuperado em http://www.scielo.mec.pt/pdf/aps/v25n3/v25n3a10.pdf

Santana, P. (2014). Introdução à Geografia da Saúde: Território, Saúde e Bem-Estar. Portugal: Universidade de Coimbra. Recuperado em https://www.researchgate.net/profile/Paula_Santana3/publication/270448403_Introducao_a_Geografia_da_Saude_Territorio_Saude_e_Bem-Estar/links/550c5c600cf275261095e6ee/Introducao-a-Geografia-da-Saude-Territorio-Saude-e-Bem-Estar.pdf

Santana, P. (Org.) (2015). Territórios e saúde mental em tempos de crises. Portugal: Universidade de Coimbra. doi: 10.14195/978-989-26-1105-1

Souza, M. L. P., &Orellana, J. D. Y. (2012). Suicide mortality in São Gabriel da Cachoeira, a predominantly indigenous Brazilian municipality. Revista Brasileira de Psiquiatria, 34, 34–37. doi: 10.1590/S1516-44462012000100007.

Waiselfisz, J. J. (2011). Mapa da Violência. Os Jovens do Brasil. (1a ed.). São Paulo, SP: Instituto Sangari. Recuperado em https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2011/MapaViolencia2011.pdf.

Werlang, B. (2013). “Pra que mexer nisso?”: suicídio e sofrimento social no meio rural. Doutorado em Psicologia Social e Institucional.Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Porto Alegre, RS, Brasil.

WHO & Calouste Gulbenkian Foundation. (2014). Social Determinants of Mental Health. Geneva. Recuperando em http://www.who.int/mental_health/publications/gulbenkian_paper_social_determinants_of_mental_health/en/

WHO. (2010). Mental health and development: targeting people with mental health conditions as a vulnerable group. Geneva, Switzerland: WHO Press. Recuperado em http://www.who.int/mental_health/policy/mhtargeting/en/

WHO. (2017). Preventing suicide: a resource for media professionals - update 2017. Recuperado em http://www.who.int/mental_health/suicide-prevention/resource_booklet_2017/en/.

Zanello, V. (2016). Saúde Mental, Gênero e Dispositivo. In: Dimenstein, M. D. B., Leite, J. F., Macedo, J. P. S., & Dantas, C. M. B. (Orgs.). (2016). Condições de vida e saúde mental em contextos rurais. São Paulo: Intermeios.




DOI: https://doi.org/10.24879/2018001200300506

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

   Revista Psicologia em Pesquisa

   Vinculada ao Programa de Pós-graduação em Psicologia

   Universidade Federal de Juiz de Fora
   Departamento de Psicologia – ICH
   Campus Universitário – Bairro Martelos
   Juiz de Fora – MG - CEP: 36036-330

   E-mail: revista.psicologiaempesquisa@ufjf.edu.br

   e-ISSN 1982-1247

   DOI: 10.24879


   INDEXADORES



            

 

 

                       

Universidade Federal de Juiz de Fora